Qui - 20/09
31º 19º 04:55
Guaíra - SP

Desconto do diesel chega às bombas do município

Nos estabelecimentos Aguetoni (postos Jataí, Guaíra, Avenida e Califórnia), onde antes era R$ 3,79 o diesel aditivado, passou para R$ 3,33 e o comum, de R$ 3,69 para R$ 3,23

Cidade
Guaíra, 2 de junho de 2018 - 07h35

ANTES

DEPOIS

 

 

 

 

 

O governo federal assinou ontem (1º de junho) um acordo com a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis) para garantir o repasse do desconto de R$ 0,46 no litro do óleo diesel ao consumidor, com base no preço de 21 de maio.

No Termo de Cooperação Técnica, governo – por meio da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) –, federação e distribuidoras se comprometem a fazer o desconto chegar na bomba de combustível até segunda-feira, 04 de junho.

Cumprindo as exigências, postos de Guaíra já alteraram os valores desde ontem (1º). Os preços do Diesel antes e depois podem ser conferidos nos estabelecimentos Aguetoni: postos Jataí, Guaíra, Avenida e Califórnia; onde antes era R$ 3,79 o diesel aditivado, passou para R$ 3,33 e o comum, de R$ 3,69 para R$ 3,23.

O desconto foi composto de R$ 0,05 do fim da Cide e R$ 0,41 do PIS/Cofins, mas da seguinte forma: uma contrapartida de R$ 0,11 e do Tesouro Nacional estão saindo R$ 0,30.

O governo ainda destacou as punições possíveis àqueles que não diminuírem o preço: multas de até R$ 9,4 milhões, suspensão temporária das atividades, interdição dos estabelecimentos e até mesmo cassação da licença.

A fiscalização será realizada pelo Procon. Caso um consumidor, ao abastecer com diesel, verificar a não aplicação do desconto, poderá fazer a denúncia. Em Guaíra, a unidade está localizada no prédio do Ganha Tempo, na Rua 8, esquina com Avenida 5.

EIXO SUSPENSO

Outros pontos do acordo já estão em vigor:  a não cobrança de pedágio do eixo suspenso, desde quinta-feira (31), a reserva de 30% de frete na Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para caminhoneiros autônomos e tabela preço mínimo para o frete.

Quanto ao o fim do pedágio do eixo suspenso, o governo estadual não precisará repor as perdas às concessionárias. No lugar, prorrogará a validade dos contratos de concessão, medida que não vai onerar o Tesouro Estadual nem causar prejuízos às concessionárias.

DETALHES DO ACORDO ESTADUAL

O governador Márcio França anunciou os compromissos acertados com os representantes de três grandes associações que congregam 1600 caminhoneiros autônomos. Eles foram recebidos no Palácio dos Bandeirantes na noite de quinta-feira, 31/05. Logo depois, seguiram para a Baixada Santista e fizeram uma assembleia no Retão da Alemoa, na qual decidiram pelo fim da greve no Porto de Santos.

Os compromissos são:

1)    Sancionar – para entrada em vigor tão logo seja aprovado – o projeto de lei de autoria do deputado Caio França em tramitação na Assembleia Legislativa que autoriza o parcelamento do IPVA em 6 vezes.

2)    Criar 6 pontos de parada em rodovias paulistas – 4 no rodoanel e 2 em locais que os caminhoneiros escolherão. Mário Covas, em seu governo, assumira o compromisso de fazer 12; foram feitos 6. Agora, o governador Márcio França conclui a iniciativa, implantando os pontos que faltavam.

3)    Formar um grupo de estudo para possibilitar a criação de dispositivo legal que permita aos caminhoneiros autônomos ter direito a crédito de ICMS ao comprar diesel. Os créditos poderão ser usados na aquisição de novos caminhões, a exemplo do que já ocorre com os empresários.

Logo após tomar conhecimento da decisão que pôs fim ao movimento, o governador Márcio França afirmou que “com a volta ao trabalho no Porto de Santos, o país retorna à normalidade. Os caminhoneiros e o Governo do Estado de São Paulo fizeram do diálogo o caminho para a solução de um problema que afetou o Brasil. Isso é a prova de que a boa política representa o melhor caminho para enfrentar as crises”.


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Cidade
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos