Qua - 19/09
31º 18º 17:53
Guaíra - SP

Entrevista da Semana

Sr. Antônio “jardineiro” e o cuidado com a natureza guairense

Cidade
Guaíra, 10 de junho de 2018 - 10h19

 

 

 

 

 

 

 

Antônio Osório Gonçalves, prestes a completar 70 anos, tem como companheira a Solange, é pai de Leonana e avô de Gabriel, de sete anos. Já foi engraxate, trabalhador braçal nas lavouras de algodão, padeiro, bicicleteiro e, por 24 anos, foi o cobrador oficial da Farmácia do Jorge. Hoje, aposentado, Antônio dedica seu tempo para ajudar a natureza a seguir o seu curso natural. Tem tanta intimidade com as plantas que confessa que elas parecem lhe indicar onde e quando pode-se fazer a poda. Antônio chama a atenção pela humildade, pela simplicidade e simpatia.

 

Sempre morou em Guaíra?

Morei primeiramente nas fazendas e somente com seis sete anos é que vim para a cidade. Passei a infância e parte da adolescência na rua 20 entre as avenidas 1 e 3. Então, era só atravessar a avenida 1 que já estávamos dentro do pastinho do Sr. José Delfino. Lá tinha muitas frutas nativas, gabiroba, por exemplo, tinha demais. Ali, a criançada jogava bola o dia inteiro. Era um cerrado que hoje já não existe mais! Estudei o primário, fiz o curso técnico, mas parei com tudo porque tinha que trabalhar.

 

E depois disso?

Depois fui morar na Cohab II e começamos a plantar árvores na pista. Começamos devagar para ver se iria dar certo, se iria vingar! Como ninguém barrou, continuamos plantando…

 

Você tem ideia de quantas mudas de árvore já plantou?

Muito difícil falar precisamente, mas fiz um levantamento meio por cima e já passou de uma centena de plantas. Já plantei muitos Ipês, árvores frutíferas foram muitas, até flores. Depende muito do lugar.

 

Como surgiu este gosto pelas plantas?

O mais interessante é que nunca fui jardineiro. Exerci várias profissões, mas não a de jardineiro.  Porém, como fui criado junto à natureza, primeiramente nas roças, depois na cidade, sempre perto das plantas, desenvolvi essa vontade de cuidar delas, de zelar por elas.

 

Hoje, você “toma conta” de quais canteiros?

Atualmente, cuido da pista do Orbis, esta avenida que sobe e vira para o lado da Cohab II, também zelo  ainda um canteiro, digamos assim, do lago Maracá.  Eu cuido porque a planta precisa de assistência. Não é somente plantar, tem que colocar estaca, aguar adubar, fazer a poda!

 

Qual é a sua rotina?

Pego minha bicicleta e vou verificar se está tudo bem, se não está precisando de água e mais alguma coisa! Se precisar de água, tenho os galões, pego água até do lago se precisar e vou cuidando. Quando fizeram o plantio atrás do lago, mais de duzentas mudinhas foram colocadas ali. O caminhão da prefeitura até jogava água, mas muitas morreram, porque naquela época faltou assistência. Naquela época, a Sandra Omoto – do Verdejando – me chamou e eu ajudei no que pude. Em volta das plantinhas tem que se fazer uma coroa, colocar uma cobertura morta, tem que limpar, senão o mato toma conta.

 

Onde você arruma as mudinhas?

Geralmente eu mesmo faço! Pego as sementes, coloco nos saquinhos e vou cuidando até plantar no lugar adequado. Os vizinhos também me auxiliam, me oferecendo as mudinhas.

 

E hoje?

Vou vivendo um dia após o outro. Faço minhas caminhadas no lago sempre observando a natureza. Tenho muita satisfação e orgulho ao verificar que a natureza está desenvolvendo. Não importa se a pessoa que está observando e achando bonito não saiba que foi eu que plantei, que cuidei… Não importa, o melhor é que as plantas estão lá, sobrevivendo e embelezando a cidade.

 

Ainda existem muitos vândalos danificando as plantas?

Ainda existem muitos. Vejo rapazes que podiam estar praticando esportes e que ficam dentro do parque arrancando as proteções, as estacas! Eu volto e coloco outras! É uma pena, mas ainda existem pessoas que danificam só pelo prazer de destruir!

 

Você atua também na Praça São Sebastião?

Ali só observo! Não está bonito não! Falta muita coisa! É preciso que se cuide dela porque é o coração da cidade. Me lembro da Igrejinha velha, com as suas escadas em caracol, me lembro do coreto. Nossa praça já não é mais a mesma!!!

 

Agradecimento

Agradeço primeiramente a Deus. Agradeço à população de Guaíra que reconhece o meu trabalho, me respeita, e deixo um alerta para as crianças: Estudem! Pratiquem esportes!  Somente através do estudo e dos esportes é que a pessoa vai atingir um nível superior de vida!!!


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Cidade
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos