Qua - 19/09
31º 18º 00:10
Guaíra - SP

Organização Mundial da Saúde estima que 16 milhões de brasileiros são diabéticos

Cidade
Guaíra, 5 de setembro de 2017 - 09h40

Estudo recente do Ministério da Saúde aponta que a doença avançou 61,8% nos últimos dez anos no país

De acordo com a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde, o número de brasileiros diagnosticados com diabetes saltou de 5,5%, em 2006, para 8,9%, no ano passado.

Ou seja, em uma década, a doença cresceu 61,8%. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, atualmente, 16 milhões de brasileiros são diabéticos.

A Dra. Dhiãnah Santini, endocrinologista do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Pró-Cardíaco, criado recentemente pela instituição, afirma que o Rio de Janeiro é a cidade líder no ranking brasileiro de diabéticos, com 10,4 casos a cada 100 mil habitantes. A especialista acredita que esse número pode ser ainda maior, tendo em vista que o atlas da Federação Internacional de Diabetes (IDF) aponta que 46,5% dos adultos portadores do problema não têm conhecimento da doença. “É um fator que preocupa, pois os primeiros sintomas podem ser muito leves e os pacientes não percebem, a princípio, que estão doentes”, diz.

De acordo com a médica, o diabetes pode ser dividido em três classes: o do tipo 1, o do tipo 2 e o diabetes gestacional. O primeiro, que é autoimune, compromete a capacidade de produção de insulina de forma súbita. “É bastante comum entre os jovens, requer uso de insulina de forma obrigatória, mas não tem relação com hereditariedade e estilo de vida”, explica.

Já o diabetes do tipo 2 pode aparecer em qualquer idade, com sintomas bastante sutis. “Esse tipo acomete mais os adultos acima do peso, que, em geral, já apresentam histórico da doença na família em várias gerações. Tem relação direta com sedentarismo, hipertensão, obesidade, colesterol alto e doença cardiovascular. De início, pode se apresentar de forma lenta e, também, com sintomas amenos”, observa a especialista. Já o diabetes do tipo gestacional pode acometer gestantes após a 24ª semana de gravidez.

Também segundo a pesquisa Vigitel, as mulheres concentram o maior registro de diagnósticos no período estudado: este foi de 6,3%, em 2006, para 9,9%, em 2016. “A população feminina tem uma tendência maior de ganho de peso que os homens, o que é maximizado após a menopausa, com mais chances de desenvolvimento de resistência insulínica, de crescimento da gordura abdominal e, consequentemente, de surgimento do diabetes”, observa a médica.

Os sintomas mais comuns são visão turva, perda repentina de peso, fome em demasia, infecções, formigamento, confusão mental, fadiga, irritabilidade, sede excessiva e disfunção erétil, no caso dos homens. “Esses são alguns dos sinais clássicos da doença. Outra questão importante está relacionada à demora na cicatrização, mesmo no caso de cortes e ferimentos mais simples”, alerta.

Quanto ao tratamento, dependendo do tipo da doença, há diferenciação, como explica Dhiãnah: “Para o tipo 1, há necessidade de usar a insulina de ação rápida e lenta, com múltiplas injeções ao dia; de seguir uma rotina na dieta, com contagem de carboidratos; e de praticar exercícios regulares, além de verificar diariamente as taxas de açúcar no sangue. Já o tipo 2 exige a ingestão de remédios específicos para ajudar no controle da produção e secreção de insulina pelo pâncreas”, diz.

A especialista informa que a melhor forma de prevenir a doença é manter hábitos saudáveis, como o controle do peso, ingerir alimentos ricos em vegetais e legumes e evitar o açúcar e carboidratos em excesso. “Também é importante que todos os adultos acima de 45 anos – ou até os abaixo dessa idade, que estejam acima do peso – façam exame para saber se estão com diabetes”, finaliza.

 


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Cidade
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos