Sáb - 20/10
31º 19º 22:12
Guaíra - SP

Taissa – mente sã, corpo são!

Taissa Lacativa de Oliveira, casada com Alessandro Camilo, mãe de Matheus. Tem como formação acadêmica o curso de Enfermagem pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Trabalhou por 15 anos em uma multinacional, coordenando o Serviço de Saúde Ocupacional, trabalhou também na área de Prevenção Ocupacional e hoje atua como Coach de Emagrecimento.

Saúde
Guaíra, 7 de outubro de 2018 - 08h35

 

Sempre atuou na área de Prevenção?

Na realidade sempre trabalhei na área de cuidados, então hoje é um pouco diferente, estou trabalhando mais na área de terapia voltada para o emagrecimento, que também faz parte da área do cuidar das pessoas.

 

Desde o começo da carreira foi assim?

Quando eu comecei minha carreira de enfermeira, iniciei no hospital que, na época era o Hospital do Câncer de Barretos, hoje é chamado de Hospital do Amor. Trabalhei também na  Santa Casa de Guaíra. Na faculdade, meu trabalho de conclusão de curso foi sobre as complicações do Diabetes , então eu entrevistei pacientes diabéticos em fase muito avançada da doença, com  todas as suas  complicações. Estas pessoas eram voltadas para um estilo de vida,  que as  faziam para chegar no final da vida de uma  forma ruim,  fazendo hemodiálise, eram diabéticos, pré diabéticos com todas as complicações possíveis. Porque para estas pessoas, estarem internadas no Hospital Escola era porque já estavam com complicações bem avançadas.

 

Como foi trabalho neste Hospital Escola?

Ali, com este trabalho descobri que era a alimentação a grande vilã. Elas antes, não tinham nenhuma preocupação com a alimentação e muito menos em fazer atividades físicas. No caso dessas pessoas entrevistadas, eram pessoas que, independente da escolaridade, da situação financeira, a falta de informação era o principal vilão. Então depois que eu fui para o Hospital do Câncer vi também muitas pessoas nessa situação, fumaram a vida inteira, tinham hábitos muito inadequados e acabaram desenvolvendo câncer, assim, resolvi trabalhar com prevenção.

 

Como está a situação dos diabéticos, hoje, no Brasil?

Nos últimos dez anos teve um aumento muito grande, aproximadamente 60% nos casos de diabéticos diagnosticados, principalmente tipo 2, então imagina o tanto de casos de pessoas que não estão recebendo diagnóstico.  Em dez anos esse aumento é exorbitante e junto com isso veio também o aumento do sobrepeso, porque já temos pesquisas recentes mostrando que 56,9% da população brasileira está com sobrepeso, é um número muito grande porque  uma coisa vai puxando a outra.

 

Tudo por causa da má alimentação?

O sobrepeso pode estar causando a diabetes e a má alimentação causa várias doenças. Há grandes ofertas de alimentos muito calóricos, muito industrializados. As pessoas não estão se preocupando com o que vão comer. E o sobrepeso tem um fator muito interessante que é o psicológico, porque toda pessoa que está com sobrepeso, é porque tem um histórico com a comida. A comida é usada como uma válvula de escape dentro da vida, por exemplo, se eu não estou feliz com meu trabalho, passo o dia inteiro comendo, se estou muito ansiosa, se estou infeliz, se não estou feliz no meu casamento, meu prazer é comer. Então o sobrepeso é mais complexo do que se pensa. Porque hoje um pacote de bolacha custa um real, então todos têm acesso para comer esses alimentos industrializados, o refrigerante que no passado era caro, hoje já não mais. Quanto maior a qualidade da comida mais ela irá adoecer as pessoas.

 

Você se preocupa com sua alimentação e com o sedentarismo?

Fui sedentária até meus 40 anos, quando completei essa idade comecei a trabalhar especificamente com emagrecimento, comecei a me cuidar mais, fazer exercícios físicos. Sempre há tempo de mudarmos nossa mente, pois muitas vezes não fazemos exercícios, porque nossa mente está com preguiça, sempre se coloca alguma coisa como prioridade, então a gente só vai conseguir incorporar uma boa alimentação e fazer atividades físicas quando nós nos vermos em primeiro lugar, nos amarmos. Enquanto estivermos colocando em primeiro lugar outras prioridades nunca vamos ter tempo para nós mesmos, então sempre há tempo, antes tarde do que nunca.  Se olharmos no espelho e realmente decidirmos  a partir de hoje cuidarmos da alimentação, fazer atividade física, pode crer, dá tempo! Claro que é uma coisa que você tem que tomar decisão e procurar ajuda, porque muitas vezes não é tão simples. Vejo, na academia, muitas pessoas entrando e saindo, temos toda essa parte psicológica de entender o que acontece, mesmo assim vemos muitas pessoas que entram e saem o tempo todo.

 

Então para emagrecer é preciso um planejamento?

É fundamental a pessoa ter um acompanhamento com um nutricionista, porque as pessoas magras pensam de uma forma, as pessoas com sobrepeso pensam de outra forma.   Por exemplo, uma pessoa que está com sobrepeso pode ter mais vergonha de ir para academia, pois até para comprar roupas de ginástica é mais difícil, às vezes, ela chega no ambiente e só vê pessoas mais magras, ela se sente mal e não vai frequentar porque a cabeça dela trabalha contra ela. Tudo é motivo para desistir, assim, a pessoa deve procurar um lugar que a  acolha, que tem mais pessoas com o peso igual ao dela, que está sendo bem vista ali, que é um lugar especifico para a  receber, o acolhimento vai  impactar de alguma forma,  vai dar um ânimo a mais.

 

Dizem que o açúcar é um veneno…

Já foi comprovado que o açúcar vicia seis vezes mais que a cocaína, e a população está viciada em açúcar. Onde estaria esse açúcar? No bolo, chocolate, refrigerante, no sorvete aliás este é o pior, porque ele junta açúcar com a gordura trans e isso é totalmente prejudicial ao nosso organismo, digamos que o nosso organismo foi feito para comer as comidas naturais, que são os animais e as plantas. O que tem a mão do homem já não é bom para nossa saúde e as pessoas são viciadas em açúcar, principalmente quem é obeso. É onde as pessoas desistem mais fácilmente, porque realmente é uma luta mental.

 

É preciso  cortar radicalmente tudo?

Este é um assunto para o nutricionista! Mas, quando se vai ao  nutricionista, muitos deles cortam tudo,  retiram  tudo  do cardápio, aí, a pessoa  nunca mais volta.  Isso é uma estatística que apenas uma faixa de cinco por cento a 10% conseguem ter resultado de emagrecimento, então é uma faixa é muito grande de desistência. Assim, hoje tem que se trabalhar com a mentalidade, senão a pessoa vai desistir, ou ela precisa ter um propósito muito grande, muito forte para não desistir.  O que seria esse propósito? Seria: “eu não vou comer, porque eu tenho um diagnóstico que preciso emagrecer senão vou perder a saúde”.  Se a saúde for importante, ela vai querer mudar, mas se não for,  não vai mudar, então as pessoas precisam  encontrar um propósito que vai movê-la  a  fazer o que ela tem que fazer.

 

Você tem uma experiência própria de emagrecimento não é?

Com relação à dieta nem vou entrar muito na questão, para não entrar no território dos nutricionistas, mas eu acredito piamente que se tem que  trabalhar a mentalidade, porque tudo é a mentalidade. Quando descobri isso, minha vida mudou, como se tivesse girado a chave da minha vida mesmo. Mudou da água para o vinho. A forma como eu penso, tanto que faz mais de um mês que estou sem açúcar e estou tranquila, pois segui toda a técnica de seguir um propósito de fazer substituições, hoje como chocolate 70% e já estou adaptada.

 

Quer deixar uma mensagem?

Gente, procure ajuda de profissionais! Sozinho a gente não consegue nada, então todos que tiveram sucesso na vida – coloco o emagrecimento também como um sucesso – foi porque tiveram alguma ajuda de alguém, principalmente para trabalhar a mente, porque sozinho é mais complicado. Muitas vezes vejo as pessoas quererem e tentarem, mas sua motivação dura muito pouco, em torno de três semanas e depois já volta.

 

É o famoso efeito sanfona

Algumas coisas propiciam o efeito sanfona: uma delas é que  as pessoas querem resultados imediato e resultado imediato não vai mudar sua mentalidade, não vai mudar sua forma de pensar então a pessoa  começa uma educação alimentar  buscando uma dieta restritiva já pensando o dia que  vai voltar comer normal.  Quando volta a comer normal, volta a ganhar peso. Então acredito muito no trabalho mental, o emagrecimento não é somente um período.  Assim, quem quer se manter magro tem que mudar alguns hábitos em longo prazo, então nada disso de imediatismo que faz a pessoa perder peso e depois volta.

 

Quer agradecer?

Quero agradecer ao Alessandro que sempre está me incentivando na parte de mentalidade, de querer que eu cresça, enfim, agradecer os meus mentores, as alunas da academia e as pessoas que me ajudam com a minha mentalidade, que é a Mara Peçanha que é minha coach, o Wilton Neto que também me ajuda muito na parte de estratégia.  Eu precisei estar bem e ter passado por todo esse processo para poder ajudar as pessoas, é como a gente fala nunca estamos sozinhos, tem sempre alguém por trás para ajudarmos outras pessoas e para não desistir desse campo do emagrecimento, porque é muito complicado. Eu queria ajudar todo mundo, mas não vou conseguir ajudar a todos, mas aquela pequena estrela, igual àquela historinha: conta-se que tinha uma porção de estrelinhas do mar na praia, quando a estrela do mar fica muito tempo na praia ela resseca e morre.  Havia uma criança que as pegava e as jogava de volta  ao mar e a mãe perguntou: “mas porque você está fazendo isso? Olha o tanto de estrelas do mar, você não vai conseguir salvar todas”  e ele respondeu, “mas essa eu vou salvar” e jogou de volta ao mar. Então o que me move a acordar todos os dias, estudar sobre emagrecimento é saber que aquela estrela do mar que confiou em mim, vou jogar de volta para o mar.

 

 


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Saúde
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos